Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



***

Quarta-feira, 08.03.17

E quando o silêncio se faz necessário...

 

 

 

 

A música preenche o vazio!

Autoria e outros dados (tags, etc)

de helena às 11:53


39 comentários

De batidasfotograficas a 17.03.2017 às 23:51

Não passo um dia sem ouvir rádio onde passa musica, informação e onde o ouvinte intervém. Normalmente ouço a antena 1. Fui homem da rádio desde miúdo. Primeiro com emissores clandestinos, mais tarde no rádio clube da cidade. Radio é o espírito recreativo do homem que preenche o tempo vazio ou mesmo estando ocupado.
A musica completa-me.
Um sorriso para ti entre o som do Zambujo e um beijo meu.

De lagrimasdelua a 15.03.2017 às 20:30

Querida Leninha - tem alturas em que o silêncio é preciso. É preciso para reencontrar a paz. É preciso para encontrar a luz e força para continuar seguindo a estrada da vida.
Nada melhor que um "Nocturno" de Chopin para embalar a dor, e a saudade. Para encurtar as distâncias e trazer doces e preenchentes memórias. Descansa minha querida amiga, nas notas dolentes e belas desta melodia - possa ela trazer-te animo, sossego e aquela calma que vem bem de dentro do coração.

Deixo-te um rasto de beijos doces de luar para te acompanhar os passos, e enfeitar os dias.

De O Arabe a 14.03.2017 às 18:21

Essa é uma das minhas preferidas, Helena. E o video é realmente lindo! Boa semana, amiga; fica bem.

De Augusto a 14.03.2017 às 14:25

Amigo Fariseu: hoje apenas uma mensagem telegráfica, rapidinha, rss. Tudo em paz no hospital, todos bem, e a Leninha vai passar o dia em casa, ordens da mãe Cidinha, acredita? Acho que a Leninha deve estar mesmo precisando de um descanso mais acentuado, pois de outra forma nunca aceitaria ficar longe da mãezinha.
A Leninha tinha um parto programado para hoje, mas para sua alegria a paciente resolveu esperar a natureza agir e ter um parto normal. A Leninha trabalha muito isto nas suas pacientes, a preferência por este tipo de parto. Então, estará em casa descansando e só retornará ao hospital à noite.
Obtive um grande sucesso com os artifícios que lhe contei que usaria. Ela ficou super emocionada, mas infelizmente não creio que vá acrescentar nada de novo na sua recusa em me tornar alguma coisa mais que um amigo. Mas sou brasileiro, meu amigo, e não desisto nunca, rss. Conto agora com a ajuda prestimosa da mãe Cidinha e vamos ver no que vai dar.
Agora me retiro, pois tenho uma providências urgentes para tomar.
Um abraço e fica bem, meu prezado amigo.
Augusto

De CÉU a 13.03.2017 às 21:42

Estimada Vera Lúcia,

Muito agradeço suas palavras, que me deixaram feliz, muito feliz.
Espero que, amanhã, a Dra. Helena, se recomponha totalmente no exercício das suas amadas e dedicadas funções.

Um beijo com todo o meu apreço para ambas.

De Augusto a 13.03.2017 às 16:31

Amigo Fariseu, hoje vim mais cedo trazer notícias, pois fui expulso, você acredita, expulso do hospital pela nossa Leninha. Diz ela que só devo aparecer por lá amanhã, que é para eu aproveitar e dormir bastante, recuperar o sono, me alimentar devidamente, e olhar as coisas no escritório. Olha só, aquela menininha querendo mandar num homão como eu, tem cabimento, meu amigo! Só aceitei a sua “sugestão”, rs, depois que ela me ameaçou de cortar relações, de ficar de mal comigo caso eu voltasse lá ainda hoje. Mas você sabe como homem apaixonado é tinhoso, nós também temos as nossas armas, e sabe qual eu vou usar para dobrar aquela garota mandona? Simplesmente vou passar à tardinha lá nas casas de assistência, vou tirar fotos dos seus amores, gravar mensagens deles para ela, pedir para colher algumas flores do belo jardim, e pedir para embalar alguns biscoitos ou bolo, que sempre tem alguém preparando para todos. Aí sim, munido destas ferramentas de conquista, rs, vou chegar lá mais à noite e tentar uma nova abordagem. Duvido que ela não fique sensibilizada com a minha demonstração de amor integrada com a sua turma das casas, com as guloseimas e as flores. Ah, meu amigo, isto conquista qualquer mulher... Tomara, viu Fariseu, tomara que ela tenha a reação que espero, pois aquela danadinha é bem capaz de gostar de ser assim mimada, mas conservar aquela postura (que tanto amo) de mulher firme, decidida, e me mandar imediatamente de volta para casa, rs.
A par das brincadeiras, meu amigo, devo dizer que todos os familiares estão passando muito bem. O Dr. Renato está no quarto, sob os cuidados da D. Aurora, sua dedicada esposa. Impressionante como ela se recuperou rápido depois que soube que o marido sairia da UTI. Olha aí a força do amor, meu amigo! A mãe Cidinha em plena recuperação já teve permissão para levantar do leito e caminhar um pouco pelo corredor. Mas acontece que, como boa mãe que é, zelosa e amorosa, deduzindo que a filhota provavelmente não está se alimentando direito, imagina onde ela foi parar mais ou menos às 10 horas da manhã? Acertou se disse: cozinha. Imagina que estávamos eu, o Leo e a Leninha no quarto do Dr. Renato, quando chega uma enfermeira avisando que a ”D.Cidinha estava na cozinha querendo preparar uma comidinha gostosa para a Dra.Helena”. Nós todos caímos na risada, mas a Leninha logo correu para a cozinha a fim de deter a mãezinha querida que já estava abusando da liberdade recebida. Fomos todos atrás para ver a cena. E foi hilária, meu amigo, com a Leninha puxando a mãe pelo braço, a mãe empurrando a filha e fazendo as reclamações de que ela não estava comendo direito, a turma da cozinha se divertindo com a cena, nós também, e a pobre da Leninha ali, às voltas com a teimosia da mãe. Só quem deu fim à bagunça foi o PC que chegou, todo austero, e com voz firme expulsou todo mundo da cozinha. Só assim a mãe Cidinha cedeu, e resmungando passou por nós de cabecinha baixa, e ainda nos insultou, dizendo: ninguém aqui tem o que fazer pra ficar bisbilhotando a vida dos outros? Aí foi que rimos pra valer, e até o PC e a Leninha, que até então se mantinham sérios, tiveram também que rir. Depois fomos eu e o Leo nos desculpar lá no quarto, levando um vaso de flores comprado na recepção do hospital. E ela, tadinha, sorriu toda feliz com o presente e ainda usando um tom reclamatório, falou: também a gente não pode fazer nada do que quer neste hospital, estou doida pra ir embora para minha casa, lá quem manda sou eu. Nesta hora nós olhamos para a Leninha, e a mãe Cidinha emendou: eu e a Leninha. Em seguida, vendo o hilário da situação, ela também soltou uma gostosa gargalhada e fez um gesto como quem diz: vocês não tem jeito mesmo!
Aí está, meu amigo, mais uma história da nossa personagem tão querida, mãe Cidinha.

De Augusto a 13.03.2017 às 16:33

Acho que tenho escrito muito, rs, pois tenho que dividir o comentário ao meio... rs.
Agora vou almoçar, comida de verdade, rs, pois num ponto a mãe Cidinha tem razão, comida de hospital é mesmo só para quem está doente, rs. Mas você acredita que a Leninha gosta? Não acreditei quando ela me disse isto, mas o Leo comprovou. Mais uma coisa pra se admirar nesta garota adorável, que tanto sabe apreciar uma boa iguaria quanto a comidinha insossa de um hospital, rs. Mesmo assim, hoje à noite vou passar num restaurante e levar também (como mais um instrumento de conquista, rs) uma comida especial para ela, ou melhor, para eles, companheiros que também passei a admirar e respeitar, Leo, PC e os dois garotões.
Aí estão, Fariseu, as notícias mais recentes.
Um abraço do amigo que, apesar de tudo que aconteceu, está feliz feito uma criança, rs.
Augusto

De FARISEU a 13.03.2017 às 12:40

HELENA, MINHA QUERIDA AMIGA, ESTA NOITE EU DORMI FEITO UM ANJO... UM ANJO ANCIÃO, É VERDADE, RS, JÁ TRANQUILIZADO COM AS NOTÍCIAS QUE O NOSSO AMIGO AUGUSTO TROUXE SOBRE TODA A SUA FAMÍLIA.
NO ENTANTO, QUANDO LI A RESPEITO DA SÍNCOPE QUE LHE ACOMETEU, DEVO DIZER QUE FIQUEI EM SOBRESSALTO, MESMO QUE DE FORMA TARDIA. DESMAIOS SÃO SEMPRE SINTOMAS DE ALGUM DISTÚRBIO, AINDA BEM QUE O SEU SE TRADUZIU NUM ESTRESSE. PAI É ASSIM MESMO, PREOCUPA-SE COM OS FILHOS ATÉ (E PRINCIPALMENTE) DE LONGE, RS.
MAS A BEM DA VERDADE, COMO OS MEUS MENINOS JÁ TOMARAM CONTA DE MIM E PERDERAM O RESPEITO PELA MINHA PESSOA, DEVO DIZER QUE CAÇOAM QUANDO DIGO “MINHA FILHA”, POIS ACHAM QUE PELA NOSSA DIFERENÇA DE IDADE EU ESTARIA MAIS PARA UM AVÔ, RS. NÃO DISCORDO DELES INTIMAMENTE, MAS PARA TENTAR IMPOR UM POUCO QUE SEJA, DE SUBORDINAÇÃO, FAÇO CARA FEIA E OS MANDO TOMAR CONTA DE SUAS VIDAS, RS.
MUITAS VEZES, PRATICANDO UMA VINGANCINHA, COMO DIZ MINHA TERAPEUTA, EU OS AMEAÇO DE SEREM RETIRADOS DO MEU TESTAMENTO, E GRANDES ATORES QUE SÃO, CHORAM, IMPLORAM, PROMETEM SE COMPORTAR, E ASSIM VAMOS VIVENDO E CONVIVENDO NESTA HARMONIA QUE ENTRE NÓS SE FAZ HÁ TANTOS ANOS.
AO AMIGO AUGUSTO SÓ TENHO A AGRADECER PELA DISPONIBILIDADE DE ESTAR SEMPRE ME ATUALIZANDO SOBRE VOCÊ E SUA FAMÍLIA. TAMBÉM TENHO QUE ADMITIR QUE MUITO ME DIVERTI AO IMAGINAR A CENA DA SENHORA, SUA MÃE, A LHE PROCURAR PELOS QUARTOS VESTINDO APENAS A CAMISOLA HOSPITALAR. EXCLUINDO-SE O DESESPERO QUE LHE DEVE TER ACOMETIDO, SOBRA O HILÁRIO DA SITUAÇÃO.
QUE BOM SABER QUE VOCÊS DEPOIS SE DIVERTIRAM MUITO.
A VIDA TEM QUE SER LEVADA ASSIM, MINHA QUERIDA, DEIXANDO QUE SE INTERCALEM A SERIEDADE QUE A VIDA IMPÕE COM OS MOMENTOS DE DESCONTRAÇÃO QUE DELA TAMBÉM PODEMOS EXTRAIR.
ACHO QUE POR HOJE É SÓ.
DESEJO-LHE UM DIA MUITO BONITO E COM NOTÍCIAS CADA VEZ MAIS PROMISSORAS SOBRE O ESTADO GERAL DA SAÚDE DE TODOS.
MEU ABRAÇO AFETUOSO.

De Bíndi e Ghost a 13.03.2017 às 12:31

Querida Helena. Rezamos por você. Que a música que ouves seja de reconforto e paz, e que logo possas voltar e deixar aqui as estrelas cintilantes e as flores perfumadas de tua alma.
Um abraço com muito carinho
Bíndi e Ghost

De Fátima a 13.03.2017 às 01:19

Ora ora ora, que notícias maravilhosas! Muito obrigada Sr. Augusto por estar sempre atualizando o Sr. Fariseu e também a todos nós que gostamos de ler os comentários alheios, como eu, rss.
Olha, não lhe conheço, mas se você não tem a profissão de escritor, jornalista, qualquer uma destas atividades que envolvem uma boa escrita e o dom de bom narrador, pode começar a pensar nisto, pois o senhor tem um jeito sensacional de contar as coisas. Eu sempre me deixo envolver na sua narrativa e é tão nítida a imagem que o senhor faz da situação que a gente fica até 'vendo' o que está acontecendo. Eu também morri de rir da D. Cidinha e imagino que ela seja uma pessoa sensacional com esta preocupação toda com a filhinha.
Helena, mesmo não conhecendo a sua família e conhecendo você somente através deste espaço, quero lhe dizer que a sua família deve ser mesmo maravilhosa, muito unida e acredito que seja muito feliz quando alguma doença não está rondando por perto. Por isto também acredito que Deus agora vai olhar "de com força", gostei da expressão, rss, para todos vocês e como eu lhe contei no comentário anterior, conforme a intuição da minha irmã de igreja, amanhã tudo vai começar a melhorar. Que assim seja em nome de Jesus.
Que tenham todos uma boa noite, pois amanhã será um outro dia e se Deus quiser, ainda melhor do que o de hoje.
Um beijo, Helena, com muita amizade,
Fatinha

De CÉU a 13.03.2017 às 00:26

Vera Lúcia, estimada amiga!

Muito agradeço suas palavras e atuação.

Através do blog da Dra. Helena, fiquei sabendo do que lhe sucedeu. Lamento imenso. Já lhe disse, muitas vezes, que ela não é de "ferro", mas eu entendo muito bem o contexto dos acontecimentos, mas não há mal que sempre dure, dizem os entendidos e assim será, se Deus quiser.

Quando houver condições para isso, queira, por favor, lhe transmitir meus votos de recuperação total, tal como aos demais familiares.

Um abraço, cordialmente!

Comentar post


Pág. 1/4