Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Para sempre...

Terça-feira, 01.11.16

Hoje a saudade veio aninhar-se junto a mim

naquela rede que a tarde cobria num manto de paz

solfejando nas notas do piano as vestes da alegria

para entreter com uma melodia o nosso olhar extasiado de flores...

redes-para-jardim-0.jpg

 

E ficávamos nós dois ali, de mãos dadas, brincando de jogar olhares  que divagavam ternura num tempo tão longe passado, outras vezes com sorrisos alongados para os dias que ainda se escreviam num quadro de futuro tão distante que nem nosso olhar arcoirizado de certezas poderia alcançar...

Éramos dois apaixonados a passear pelas colinas alaranjadas de um pôr de sol tão reluzente que nos permitia divisar os deuses a pintar desejos em matizes que nenhum mortal poderia conceber.

Hoje meu olhar não consegue divisar os deuses a colorir o horizonte nem escutar o piano se vestindo de alegria nem sentir a tua mão a segurar delicadamente a minha... 

Fecho os olhos e te vejo a me acenar num mosaico de ternura a colorir os passos que teus pés teceram no rendilhado dos caminhos por ti percorridos.

Hoje, em que as lembranças se acentuaram no rastro da tua luz, estou te mandando de presente um punhado de pétalas de rosas brancas aninhadas nas asas daqueles anjos dourados que tu me apontavas dizendo que eram eles que me protegiam...

É a ti, meu doce amor, que hoje eles protegem! Tu, que o Pai quis aninhar novamente entre as Mãos que um dia te depositaram no mundo para iluminar os seres que de ti se acercavam...

São para ti as lembranças deste imenso amor que habitará para SEMPRE o meu coração doído de SAUDADE. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

de helena às 00:03


16 comentários

De a 02.11.2016 às 12:44

Bom dia, querida e carinhosa amiga.
Hoje, num dia marcado no calendário, muitas pessoas visitam a morada final de seus entes queridos. Vão até lá, deixam suas flores e preces, e voltam para casa, e seguem suas vidas...não os julgo, jamais, chamando-os superficiais por automatizarem esses atos nessa específica data. Afinal, quem sou eu para julgar quem quer que seja...e quem sou eu para achar que não seja melhor voltar para casa, como eles, e seguir a vida pelo simples fato de que assim deve ser. Cada um sabe a dor que carrega e como melhor apaziguá-la...
Um dia, ouvi alguém perguntar porque vivemos...e ouvi alguém responder que essa pergunta só tem uma resposta: porque sim! A vida nos foi dada, e precisamos vivê-la, de um jeito ou outro. E certamente um dia teremos uma visão de montanha sobre tudo o que houve em nossa existência, percebendo que cada coisa estava em seu lugar, mesmo as dores e sofrimentos. Mas eles nos doem demais, enquanto aqui estamos...nossa consciência ainda não consegue explicar tantas coisas que aparentemente estão fora de tempo e lugar. Não há explicação racional, não agora, ao menos...e seguimos assim, quando a saudade tinge os dias de escuridão, tateando com o apoio de quem nos ama, pois essa tenho certeza é uma das lições da dor: nos mostrar que não importa o quanto caímos, haverá alguém cujo terno olhar e solícita mão nos amparará. Seja de alguém conhecido ou desconhecido (pois somos todos afinal da mesma família...), alguém visível ou invisível (pois aquele que se foi daqui ainda existe em outro lugar, somente não o vemos...), o socorro nos virá.
Desejo de coração que o seu coração receba todo o auxílio que mereces!
Um abraço com muito respeito e carinho de seus amigos Bíndi e Ghost

De Maria a 01.11.2016 às 23:16

Minha querida amiga, as saudades dilaceram o coração, mas as doces recordações dos momentos vividos com tanto carinho e amor, ajudam certamente a aliviar suavemente a sua tão sensível e bela alma.
Que Deus a proteja e ilumine o seu caminho.
Um grande beijinho
Maria

De SOL da Esteva a 01.11.2016 às 19:53

As lembranças são quanto nos resta
Neste caminhar sem o fim ver.
Sabe, minha Helena, Deus empresta
O que precisamos de colher
Para alimentar, sobreviver...


Beijo
SOL

De Felisberto N Junior a 01.11.2016 às 17:54

Olá,querida Helena,boa tarde...tão riste, tão melancólico,tão belo, belíssimo...quando a saudade vem aninhar-se junto ao nosso peito e tudo faz lembrar , é sinal de que vivemos algo bom, que vale a pena ser lembrado ... claro que dói ainda essa falta de alguém e as lembranças deste imenso amor, mas há de se lembrar somente das coisas boas vividas e de quem não mais está a segurar-te as mãos , amorosamente recebeu dos anos dourados as suas belas pétalas de rosas brancas. Que os anjos continuem te protegendo...amém!
Agradeço pelo carinho,feliz semana, belos dias,beijos!

De chica a 01.11.2016 às 08:30

Saudade bem expressa e tão normal pois o amor tão grande partiu! De lá recebe o carinho! bjs, chica, lindo dia, tudo de bom! Feliz NOVEMBRO!

De Gracita a 01.11.2016 às 01:19

Ola minha doce amiga Helena
O amor que habita em teu coração solfeja em lindas metáforas a saudade que pulsa com pujança neste seu doce coração e você nos brinda com este poetar melancólico permeado de amor por aquele que não mais está a segurar-te as mãos mas que te beija com a suavidade da emoção.
Um terno abraço e o meu colossal carinho minha amiga
Beijos e sorrisos para iluminar a tua aura

Comentar post


Pág. 2/2